Relato de um Parto Lotus

RELATO DE UM PARTO LOTUS

 

Já faz dez semanas que se manifestou neste plano Iyari , nosso terceiro filho; faz um ano e sete meses nasceu Alai , em casa,  faz doze anos também em casa recebi por primeira vez a dádiva de dar a luz  a Kalú ..  .

Quando Alai estava com oito meses soubemos que outra sementinha tinha se aninhado no útero da mamãe ,que se encontrava ainda em estado materno inicial -ou seja – dando muito colo para o bichinho, dando de mamar ,se   maravilhando e surpreendendo com  o desenvolvimento incrivelmente veloz desse pequeno ser, o  corpinho  engatinhando, a mente crescendo em compreensão desperta e curiosa, o coraçãozinho irradiando amor em todas as direções…Também a nossa entrega em corpo e alma para acompanhar,estimular e abraçar esse ser amado que recebemos no clímax do processo de gestação – o trance vital e espiritual chamado de parto, um parto ativo, natural,essencialmente e por sobre tudo uma vivência espiritual – mais do que qualquer outro  fenômeno experimentado por nós nesta vida- literalmente a luz divina manifestada, feita matéria com cheirinho e aura de outros planos mais elevados e doces como um canto celestial vindo do centro do centro….

O meu corpo ainda  como que começando realmente a voltar – a pesar de estar amamentando- ao que era antes de toda essa odisséia materna começar um ano e meio atrás..Então ,de repente – tuuudo de novo…. uau…..

Quando senti que a causa dos enjôos que estavam começando era outra gravidez , naquela acordada para dar de mamar a noite  (nessa fase bem seguido já que o desenvolvimento do cérebro está a mil) senti uma  vertigem silenciosa  mas no estado de vigília e de madrugada tudo me pareceu obra de algo maior que manifestava mais vida e crescimento no nosso núcleo..

Só que de manhã e no primeiro tempo de gravidez tivemos que fazer um trabalho interno forte para aceitar e nos entregar mesmo a essa viagem já que muitos motivos bloqueavam o alinhamento com a nova situação, desde econômicos até fisiológicos, passando pela emotividade ,as expectativas de projetos novos, e os condicionamentos vários–sem mencionar o fato de que tudo o  que tínhamos ouvido em relação a um bebê que chega próximo do outro é que vira uma loucura,uma trabalheira, um desplazamento do bebê maior,ciúmes bla bla bla e que é claro- têm que deixar de mamar para deixar o leite e os nutrientes para o que vêm …Bom, sem duvida íamos receber esse bebê e a medida que passavam os dias a certeza de que esses bebês e nós tínhamos um destino bem claro juntos de expansão de consciência e aprendizado profundo foi tomando conta da nossa psique e o coração foi se sincronizando junto a corpo e mente assim deixando ao espiritu canalizar e se preparar para o que vier se mantendo sempre no presente de aonde tudo surge e flui..

Muitos detalhes sutis da minha conexão e força interna posta em movimento no momento fundamental dos meus partos me faziam sentir que podiam evoluir e transcender cada vez mais a mim mesma e á minha linhagem passada presente e futura através desse trabalho fundo fundo como o mar.. Também a benção infinita de dar a luz e criar bichinhos me deixou com uma segreda vontade de parir de novo.. só que é claro  não tão logo!!.Muito loco…sinto que abri uma brecha realmente …  já que mesmo quando sempre o parto é como têm que ser e quando é natural e domiciliar sem duvida que só pode se dizer que foi perfeito segundo o processo que cada quem está vivendo-  sentia que podia ir mais fundo, mais consciente  …E assim tocou, assim foi se encaixando a nossa estória no universo e continuamos então a sintonia com esse mundo de gestar, parir, criar , que já vínhamos incorporando desde uma perspectiva ampla e simples, nos nutrindo com a riqueza da experiência  de uma  criança natural para um novo tempo e uma nova consciência na pratica , no cotidiano. Tínhamos começado a  facilitar um grupo de famílias e bebés para se acompanhar e inspirar no processo de crescimento ,  nos alinhando com o que estávamos vivendo .. e enfim.. já estávamos embarcados no oceano amniótico  hehehe

Foi nessa energia que veio a informação do parto de lótus ; já quase para nascer Alai soubemos que existia esta pratica , fez sentido  e ficou dando voltas ,  mas só com Iyari realmente sentimos uma ressonância total  e fizemos a experiência . Estivemos nos correspondendo com uma parteira da casa de partos lunamaya em Chiapas, no México, aonde sempre os partos são lótus por considerar isto um ato de profundo respeito para com o bebê e o processo natural , suave e pacifico de chegada ao mundo. Cris – o nome dela –  apoiou o empoderamento também para não desmamar ao nosso  , Alai dizendo que não tinha motivos mesmo para faze – lo que isso sempre aconteceu ,  ou seja , que sempre nasceram bebês próximos um do outro , faz  parte da natureza e é uma opção da mãe amamentar grávida e logo aos dois para não fazer chocante e violento o processo de cambio de situação para o bebê maior   e isso não é uma causa de nutrição deficiente em nenhum caso se a mãe estiver bem nutrida física e energeticamente … faz parte..

Além do mais o bebê maior já é alimentado por outros reinos e a quantidade de mamadas não é a mesma que o bebê que vêm , para  quem o leite é o único e precioso alimento. Como intuímos podíamos ir fazendo a nossa modalidade sem cortar drasticamente nada,.

No parto lotus o cordão não é cortado no nascimento, ele fica conectando bebê e placenta até cair naturalmente , sem ferida  aberta que pode infeccionar e precisa ser curada , sem choque, já que o fato de que o cordão tenha deixado de pulsar não quer dizer que seja uma coisa inútil junto a placenta; ainda há sangue entrando no bebê e é sábio esperar a  que o bebê termine esse processo. Quando o sangue alcança um nível ótimo no bebê (para esse bebê especificamente) os vasos do cordão colapsam . O fechamento do cordão não ocorre quando visivelmente deixa de pulsar; ele pode continuar pulsando no umbigo por muito mais tempo  do que no centro dele. Energeticamente a ligação do bebê com a placenta continua até naturalmente o cordão se desprender o qual ocorre entre três e sete dias após o nascimento.

No dia mão espectral no sincronario-calendario lunisolar de treze luas – 5 de janeiro – no calendário gregoriano- acordei de madrugada sentindo algo diferente,,como já estava com praticamente 40 semanas nesses dias estava sentindo contrações especialmente quando Alai mamava a tardinha noite estimulando a ocitocina que já estava borbulhando para desatar em qualquer momento..  mas essa sensação era diferente ,era como um preâmbulo ;uma coisa bem lá no fundo estava se preparando…

Fiquei acordada respirando.. não eram exatamente contrações, elas começaram de manhã ,  irregulares e numa intensidade gostosa mas se fazendo sentir.. já estava com nós Ale ,  a nossa querida amiga que veio de longe  acompanhar  o parto e os primeiros tempos nos apoiando com a tribu de cinco que logo seríamos.. esse dia também viria a Vânia com a Renata para fazer a consulta pré natal ; e eu estava tranqüila e me sentindo preparada para decolar nesse vôo … quando a Vânia veio seriam umas 16:00 hrs; eu disse que estava com contrações mas numa naturalidade que ela disse  ah… pode ser que faltem  uns dois dias.. eu disse que sentia que já estava vindo o trabalho .. assim que tivemos uma boa conversa com contrações no meio, broas e suco de  abacaxi  , que fez bem parte do processo , gostei desde o principio da energia de mamacha (parteira, mãezona em espanhol) da Vânia , gostei dela falando tão naturalmente do parto prazeroso no consultão; isso junto  as visitas pré natal das hanamigas e aos relatos das minhas amigas Tamara e Jana ,  fizeram nos sentir confiança de ser assistidos em tão importante momento pela equipe Hanami; senti que acompanhariam sem controlar a situação e que saberiam intervir só se fosse necessário, realmente assistindo.. também queríamos que o parto fosse na água e elas tinham linda experiência , Falamos da nossa opção do parto lótus ;pouco tinham ouvido falar ao respeito mas os cuidados e responsabilidade seríam nossos assim que embarcamos juntos na viajem natal  hehehe

Bom ; esse dia foram embora as Hanamigas e fiquei de ligar se a coisa continuasse e subisse em intensidade.A coisa continuou… eu sabia ao certo que estava vindo Iyari.. as contrações variavam em intensidade mas umas eram daquelas boas , Começamos dançar como queríamos fazer igual que no  parto do Alai Kumara ,   cantar e dançar chamando a força , respirando, se conectando no processo, não deixando o condicionamento da dor impregnar esse espaço sagrado..

Dançamos com as crianças e a Ale , eu tinha feito uma seleção de musicas especial para esse momento , e fui me adentrando , bailando , me empoderando.. quando eram umas 22:00 hrs já estava sentindo contrações fortes daquelas de não poder sentar, só andando .. liguei pra Vânia e ela me disse  que chamaria ás meninas ,  pouco depois a Joyce me ligou e eu disse que tinha dado uma acalmada , ou seja que estavam acontecendo ainda não regulares mas que sentia ia demorar mais um pouco , me referia ao trance total dilatador ; com certeza seria em estrela cristal (como tinha pensado nesses dias anteriores) ,  6 de janeiro ,  que o trabalho desencadearia mesmo em nascimento..

A Joyce me disse pra tomar um banho e tentar descansar um pouco, e foi o que fiz.. consegui descansar  uma hora e meia ,meu companheiro Ima até dormiu um pouco;Eu tive um descanso alerta, sentido contrações intensas mas que me permitiam ficar deitada de lado e me davam um descanso para respirar tranqüila depois desse dia intenso e de preparação para o trance que as hanamigas chamam de partolândia…  de repente a intensidade  aumentou e eu soube que a coisa já tava bem adiantada.. Ima meio na vigília sentiu e acordou atento e me acompanhou

daquele jeito que já sabíamos, ele também estava em trabalho.. sentindo junto cada contração que quando vinha era pura profundeza e força vital com respiração profunda e enérgica  e quando ia era como um lago respirando calmo mas fundo…descanso e logo outra e de pé , andar um pouco pra não sentir que estava rendida ;eu estava empoderada e cheia de força e de amor ..toda uma vida, dois partos anteriores para sentir que estava mesmo na força junto, entregue, nem assustada nem me resistindo á abertura do meu corpo como uma flor tremenda …flor de vida

Ligamos para as Hanamigas que chegaram já no meio da madrugada super bem dispostas, alegres e na pilha para encher piscina  , esquentar água e tudo mais .. A Joyce me fez um toque pra saber se correr com a piscina e viu que já estava em 6-7 cms. de dilatação e alegremente disse que estava tudo beleza, que era o grande dia!!!

A nossa amiga Ale acordou e vieram umas contrações em triângulo musical com Ima e ela me dando apoio, nós três emitindo sons ; eu balançando o quadril.. logo a piscina encheu e quando me perguntaram se queria entrar disse sim!!! Entramos eu e meu companheiro e claro ,  aí o trance acalmou , relaxou , que paraíso!!!

Assim ficamos um bom tempo e as contrações indo e vindo..na água sentia como meu corpo vibrava … é claro que as palavras  são só um pálido reflexo dessa experiência mas poderia dizer dentro , presente , todas as mulheres,

todos os sons , silencio, pulsar , FORÇA…

Depois de um tempo a intensidade voltou com tudo e comecei  a ficar cansada.. acordou o Kalú ; meu filho mais velho ,  que chegou junto e ficou um tempo segurando a minha mão , sentindo de alguma forma ali comigo a chegada do irmãozinho, participando do momento de desafio.. eu queria que já progredisse essa fase de transição mas cada bebê têm o tempo dele e assim também cada mãe têm o seu único trabalho que é puro amor incondicional  e claro, coragem por que  se fisiologicamente está indo tudo bem não têm como não ter um parto natural , as alternativas fogem tanto de tudo que nos levou até aí que não têm volta atrás..só fica segurar firme e forte como se diz no Brasil …

Depois de um toque me disseram que tinha o colo segurando a cabecinha do bebê …já estava no canal e não vinha.. estava ainda com a bolsa .. eu sabia que bem protegido  mas  senti ansiedade …estava muito cansada e parece que ainda faltava …naquele momento emocional acordou Alai ..fez a chamada e papai saiu da  piscina pra pega-lo ; logo chegaram meu bebe e o meu companheiro e entraram na piscina..  o Kalú ficou dentro do campo vibratório mas fora da piscina

parece que meu pequeno Alai acordou na hora para dar um impulso pra mamãe, daí a pouco  quis mamar … e mamou.. veio uma contração forte forte..  e daí só lembro que as crianças saíram com a Ale  pro quintal..já tinha amanhecido…Mais contrações e já não tinha o colo segurando; a cabecinha estava bem aí , pertinho..   Saí da piscina para ajudar com a gravidade e uma força mais terra para o meu bichinho descer …  me segurando no Ima que sempre esteve junto ..e assim começou a  coroar …. quase nasce no banquinho como disse a Joyce ,  mas entrei na piscina de novo  com Ima atrás de mim sentindo como o corpo ia abrindo cada vez mais..  e assim devagar abrindo e fechando as pernas para vir lentamente como me guiaram sabiamente as hanamigas  a expulsão , o nascimento ,  aconteceu .

De repente a cabecinha saiu estourando junto a bolsa que só rompeu naquela hora, e aí ficou essa cabecinha na água até que veio outra contração rapidinha que passou e só na seguinte foi  que  veio o corpinho do meu bebê , peguei ele e levei pro colo  e aí não têm palavras ....dar a luz – renascer – se dar a luz  ,   luz luz luz

Lembro bem esses momentos de êxtase e beleza extrema , com meus filhos presentes  vendo chegar o irmão e todo mundo ficar aí sentindo e olhando para essa coisinha maravilhosa.

Depois de um tempo saí da piscina, sangrando e segurando a Iyari que já estava aqui……….. gracias ,  gracias…….. só sentia essa palavra… dei o peito pra ele e daí a pouco a arvore da vida veio … a placenta sagrada que regulou todas as funções fisiológicas do meu bebê no útero, sua alma gêmea para muitos povos primitivos,  ela que fez todas as transmissões entre eu e ele , estava saindo do meu corpo… Agora vinha mesmo a fase final do nascimento lótus… cuidar de bebê e placenta com amor e entrega  até o cordão cair sem corte..

E assim foi , cuidamos dos dois , nas primeiras horas tomei uma vitamina com um pedaço de placenta e suco de laranja para me recuperar bem , também pedimos permissão e pegamos duas partes dela para fazer tintura e homeopatia as quais serão medicinas poderosas para toda a vida do Iyari , quando ele precisar aí estará a poção mágica com esse pequeno tesouro que se formou junto com ele..

Depois de quatro dias de viajem de chegada ao mundo e cuidados do meu companheiro para a placenta (lavar com água com sal ; enrola- la em paninhos com óleo essencial de lavanda) pegar ela numa bolsinha e sair com ela passear pela casa hehehe  –  Ela e Iyari despediam-se ..foi justo quando veio a hanamiga  Jaque  na segunda visita post parto .  ao pegar Iyari para pesa-lo  o cordão já estava totalmente seco e  desprendeu-se gentilmente quando todo o processo natural e bebê estavam prontos. Foi mesmo mais rápido que quando é cortado tal e como tínhamos nos informado..

Enterramos ela no quintal ; toda a família , agradecemos , e um novo ciclo começou… todo esse ritual de chegada ao mundo deixará rastros profundos no ser de cada um de nós..

Gracias a la vida , a la existência , a la presencia divina , a la tierra, a todas las madrecitas, a todos los niños a TUDO

SARVAM MANGALAM

QUE TODOS OS SERES ESTEJAM BEM E FELIZES

QUE TODAS A S CRIANÇAS CHEGUEM EM PAZ, EM RESPEITO , EM CONSCIÊNCIA MAS SOBRE TUDO EM AMOR INCONDICIONAL

INLAKECH –EU SOU OUTRO VOCÊ

E TODOS SOMOS UM!!!!!!!!!!

Anúncios